(Imagem de Alexas_Fotos por Pixabay)

Mortes e desemprego de idosos pela Covid-19 agravam pobreza no Brasil, alerta Ipea

As milhares de mortes de idosos e o incremento do desemprego, provocados pela pandemia de Covid-19, estão agravando substancialmente as condições de pobreza no Brasil. O alerta é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), na Nota Técnica “Os dependentes da renda dos idosos e o coronavírus: órfãos ou novos pobres?” A Nota é assinada por Ana Amélia Camarano, técnica de planejamento e pesquisa na Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc) do Ipea.

A especialista observa que o objetivo do trabalho é “mostrar o impacto da morte precoce de idosos, em especial dos que são responsáveis financeiros por famílias, na renda dos demais familiares”. Ela lembra que 73,8% das mortes registradas por Covid-19 no Brasil, até o dia primeiro de julho de 2020, ocorreram em indivíduos com 60 anos ou mais, dos quais 58,0% eram homens.

“Não se tem dúvidas de que a pandemia do coronavírus está trazendo consequências devastadoras em termos de perdas de vidas humanas e de emprego, afetando as famílias de várias formas. Uma delas é a diminuição da renda de seus membros, seja pela morte, seja pela perda de emprego num momento de difícil acesso a um trabalho remunerado”, comenta a articulista.

Ana Amélia Camarano recorda que vários trabalhos já tinham evidenciado a importância da renda dos idosos na renda das famílias brasileiras. De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, em 2018, dos 71,3 milhões de domicílios brasileiros, em 33,9% tinha ao menos um idoso residindo. O idoso, assinala a Nota Técnica, contribuía com 69,8% da renda destes domicílios e 56,3% de sua renda vinha de pensões ou aposentadoria.

Com a pandemia de Covid-19, incrementando o desemprego entre os idosos e provocando milhares de mortes na faixa etária de 60 anos ou mais, naturalmente a renda das famílias que dependem deles tem caído, tendo como consequência o avanço das condições de pobreza. “Chama-se a atenção para o fato de que o idoso é vítima duas vezes nessa pandemia: é quem morre mais e quem é mais afetado pelo desemprego. No entanto, o seu papel nas famílias é pouco reconhecido. Acho que se pode falar que se morre um idoso, uma família entra na pobreza”, comenta a técnica do Ipea, em um documento que adverte seriamente para um dos graves aspectos derivados da pandemia de Covid-19 no Brasil. A íntegra da nota pode ser baixada aqui.

  1. Os dados acima apresentados nos traz uma reflexão ainda mais triste, a de que a violência contra o idoso aumentou consideravelmente, onde a família nega o direito do idoso de gerir a sua renda, já que o idoso representa a única renda familiar, diante do aumento do desemprego no país.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais
Cresce em 2019 na Câmara dos Deputados número de projetos alterando Estatuto do Idoso